Formas de reutilizar o lixo e a importância de uma mudança de atitudes

Publicação: 10/08/2012 08:00 Atualização:
Todos os dias o ser humano produz lixo. São as garrafas plásticas dos refrigerantes, o resto da comida do almoço, os vidros, milhões de embalagens e por aí vai. Em uma escala maior, há também os resíduos produzidos pela agricultura, mineração, indústria, produção energética, entre tantos outros processos. Ao fim de cada ano, estima-se que o mundo produza quase um bilhão de toneladas de lixo, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). Mas, disso tudo, o que, de fato, é resíduo e tão somente desperdício?

Grande parte do que é tratado enquanto lixo pode se tornar verdadeiro tesouro se bem aproveitado, segundo a edição de hoje da revista Science. A publicação científica, uma das mais renomadas do mundo, dedicou várias páginas a uma série especial sobre o lixo produzido nos mais diversos países. Além de pontuar os problemas, destacou formas inteligentes encontradas por cientistas e engenheiros para trabalhar com os resíduos para minimizar o impacto ambiental e transformá-los em produtos rentáveis. No ditado brasileiro, aquela história de transformar o lixo em luxo.


Confira, na íntegra, a entrevista feita com Rodrigo Sabatini,presidente do Instituto Lixo Zero Brasil, sobre a questão da produção e destino final do lixo no país.
- A Science é uma das mais renomadas revistas científicas do mundo. Como o senhor encara uma edição inteira dedicada ao tema do lixo? Qual é a importância dessa discussão?
Fundamental. Esperamos que este tema cresça cada vez mais em todos os veículos de comunicação, desde os programas, documentários, até as propagandas de uma forma geral, materiais institucionais,  discussões nos meios educacionais, indústria, domicílios, bairros, etc.
O tema tem se destacado mais frequentemente em grandes mídias nos últimos dois anos. Na televisão também, algumas emissoras de grande repercussão têm dado destaque ao tema no Brasil e mundo. Mas é preciso que ele seja incorporado no dia-a-dia das pessoas, global e localmente, para que as atitudes  mudem automaticamente. O problema é de todos. O que é gerado no outro lado do mundo está tendo consequências aqui e vice-versa. É um assunto complexo, especialmente porque envolve mudanças de comportamento, valores, atitude e sérias questões políticas e econômicas.


O Instituto Lixo Zero Brasil busca trabalhar a co-responsabilidade de todos neste assunto, reunir empresários, organizações, órgãos públicos e os cidadãos comuns para discutir o assunto e quanto mais a mídia trata o assunto, mas as pessoas despertam o interesse para gerar mudanças.
- Como é o panorama do lixo no Brasil? Produção e destinação final?
Nossos relatórios e dados geralmente se baseiam em organizações importantes como: ABRELP, IPEA e IBGE e SNIS, CEMPRE.
De acordo com o Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos, realizado pelo SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), referente ao ano de 2007, a quantidade de lixo coletado diariamente por um brasileiro gira em torno de 0,71Kg por cada habitante nas cidades menores (com até 30 mil habitantes) e 1,17 Kg nas cidades com mais de três milhões de moradores. Deste montante aproximadamente 50% é orgânico, 30% reutilizável ou reciclável e 10% é o rejeito ou o que realmente consideramos lixo. Mas poderíamos reduzir este percentual de lixo/rejeito a 5%.


No Brasil, segundo a ABRELP - Associação Brasileira de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (de 2009), das 150 mil toneladas de lixo coletadas por dia no Brasil, 43% não têm destinação final adequada, e apesar de ter sido constatada uma evolução na adequação da destinação do RSU(resíduos sólidos urbanos) de 2008 para 2009, este montante, que representa quase 22 milhões de toneladas por ano, ainda é disposto de forma inadequada em aterros não controlados ou lixões, que não garantem a devida proteção ambiental.
A produção de resíduos per capta aumentou em 6,6% de 2008 para 2009. Um estudo sobre a relação do brasileiro com o lixo, consta que 6,7 milhões de toneladas destes resíduos deixaram de ser coletados no ano de 2010, e, por conseqüência, tiveram destino impróprio. O país perde cerca de R$ 8 bilhões por ano por deixar de reciclar os resíduos que poderiam ter outro fim, mas que são encaminhados aos aterros e lixões das cidades (IPEA).

O potencial de reciclagem ainda é muito inferior ao potencial apontado pelo IPEA que é de 30,4% de materiais recicláveis. O Brasil ainda possui 2.906 lixões distribuídos por 2.810 municípios que precisam ser erradicados até 2014, segundo informação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sobre o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS);
Os aterros sanitários são considerados locais adequados por serem devidamente impermeabilizados e equipados com sistemas de proteção ambiental e à saúde. Já os lixões a céu aberto e aterros controlados são considerados inapropriados por serem terrenos sem condições técnicas para o depósito de resíduos sólidos.

- No Brasil, a maioria de nossos resíduos vai parar nos aterros. Essa é a melhor solução?
Métodos como a incineração seria melhor do ponto de vista ecológico e econômico?Não é a melhor solução, contudo, para o Brasil, pode ser considerado a solução mais viável economicamente. Já ecologicamente falando, somente poderá ser uma solução viável se estivermos falando de Aterros Sanitários, que são espaços planejados e preparados para a deposição final de resíduos sólidos, para captar e tratar dos gases/líquidos resultantes e devem seguir uma série de normas e regulamentos, diferentes do que vemos hoje (aterros controlados e lixões).


Não é tão fácil se chegar a um consenso pois ambos apresentam  razões mais ou menos válidas, com valores muito relativos que dificultam um acordo. Também depende da realidade da localidade, país, etc.  No Brasil, nossa dimensão territorial ainda nos permite ter aterros (com limites e prazos de uso),  o que não acontece em outros continentes, países menores. Na Europa grande maioria dos resíduos é direcionada para os incineradores, principalmente por questões de espaço físico e geração de energia. Mas há outros fatores envolvidos nesta decisão. O ideal seria que atingíssemos a Meta Lixo Zero, ou metas de redução constantes. Quanto menos lixo, menor a necessidade de aterros ou incineradores. Mas o caminho é longo.


- Como podemos aproveitar o nosso lixo de forma inteligente e sustentável?
Tudo começa pelo ato de consumo e nas escolhas que fazemos a todo instante. O Instituto adota e defende os Conceitos Lixo Zero para cidadãos e organizações, são ações práticas que consistem em:
Comprar produtos mais duráveis e dizer não aos descartáveis.
Não utilizar copos plásticos (ter uma caneca próxima), usar menos papel, reutilizar produtos (garrafas de água, utensílios em geral), isso significa pensar em todas as formas de utilização do objeto antes de se desfazer deste no que a maioria chama de lixo, mas que está cheio de recursos descartados de forma impensada.
Buscar pontos de coleta seletivas ou quem colete utensílios que não serão mais reaproveitados em casa/escritório, mas poderão ser aproveitados nas mãos de outras pessoas, etc.
 A internet já disponibiliza formas diferentes de reuso e reciclagem com os mais diferentes objetos. Vale a pena uma reportagem só sobre reutilização de materiais com tudo o que pode ser feito. Utensílios domésticos, decoração de casa, construções sustentáveis e criativas com reaproveitamento de resíduos, etc....

 Móveis, com madeiras recicladas e pneus, carteiras e bolsas feitas de tetra pack, sacolas feitas de restos de banners, tapetes (restos de tecido)..
 Separar o orgânico. Parece simples, mas tão difícil das pessoas fazerem ainda. Já há diversas formas de separar o orgânico do resíduos seco. É preciso dar uma destinação, mas não faltam alternativas: Há composteiras práticas, minhocários para apartamentos e outras. Com isso já se reduz 50% do nosso lixo doméstico.
As pessoas precisam agir mais, buscar criatividade e principalmente mudar hábitos.
www.correiobraziliense.com.br/.../formas-de-reutilizar-

Postagens mais visitadas deste blog

Flores da Amazônia